quarta-feira, 1 de outubro de 2008

rio amarelo

as novidades mal começaram e eu já me vejo confusa com o pouco que tenho.
é uma novidade aqui, outra acolá, uma possibilidade do outro lado da rua...
e eu não sei ao certo se atravesso, se espero os carros passarem, parece que vem chuva.
mas o tempo pode virar.
isso é o que mais me intriga: eu sempre espero pela chuva, sinto as trovoadas... e ela nunca vem...
o sol aparece luminoso, forte e arrebatador.
e qdo dou por mim perdi tempo pensando na chuva.
enfim... bora pra vida!

* para ler ouvindo roberta sá...

Não sei se é certo pra você
Mas por aqui já deu pra ver
Mesmo espalhados ao redor
Meus passos seguem um rumo só.

Não deixe idéia de não ou talvez
Que talvez atrapalha
Não deixe idéia de não ou talvez
Que talvez atrapalha.

O amor é um descanso
Quando a gente quer ir lá
Não há perigo no mundo
Que te impeça de chegar.

Caminhando sem receio
Vou brincar no seu jardim
De virada desço o queixo
E rio amarelo.

- que os céus me ajudem a desencanar do receio! e sejam bem vindos os jardins!

2 comentários:

p! disse...

nunca se perde tempo olhando pro céu, pelo contrário isso conduz desde o que a gente veste ao que a gente come. ouvir roberta sá me dá vontade de cantar.
eu sempre dou boas vindas a jardins e luzes.
=}

isaBela araújo silvA disse...

polli,
viva a roberta sá.