segunda-feira, 10 de março de 2008

A gente produz, mas e daí?

Quem estiver se perguntando qual é a minha dessa vez, basta dar uma olhadinha rápida ali ao lado direito e ler minhas breves palavras no “quem sou” e aí você vai entender tudinho, e rápido...
É o seguinte: eu quero, e quero muuuito assistir “nome próprio” longa de Murilo Salles, adaptação do livro “Máquina de Pinball” de Clarah Averbuck. Mas quem disse que eu consigo sair de casa e ir ao cinema com espasmos de felicidade?
No. Necas de pitibiriba.
O que eu encontro: A Lenda, Os espertalhões, Rambo IV (hahahahaha, esse parece piada...) em Pé de Guerra, enfim, esses outros tipos de filmes que eu me recuso a dissertar a respeito, primeiro porque gosto é uma coisa pessoal (que brilhante conclusão!) e segundo porque eu sou uma pessoa muito educada...hehehe.
Tema batido? Ok. Batidíssimo. Basta o assunto ser cinema nacional que os admiradores versarão durante horas sobre a falta de exibidores que tratem com carinho nossos famigerados longas, eles podem dar lucro também porra! (e os curtas então? Coitados!).
Eu sei que o assunto é batido, mas é que essa tarde fiquei deveras incomodada mesmo (já falamos sobre minha polidez).
Quero apenas que alguém me explique como se eu tivesse cinco anos de idade, porque raios um país financia produções na casa dos milhões (o que eu acho ótimo!), mas a maioria das pessoas não tem acesso ao filme pronto? Quem não freqüenta festivais que se lixe? É isso? Quem vai incentivar a exibição? A formação de público?
Outro tapa na minha cara: “Fim da Linha” de Gustavo Steiberg... olha só o que eu li, e chorei, no site do longa: “O filme estréia na 6a-feira, dia 7 de março, com 4 cópias. Em São Paulo: HSBC Belas Artes, Cinemark Santa Cruz, Off Price Raposo. No Rio de Janeiro: Estação Gávea. Lembrem-se que o filme só fica em cartaz se muitas pessoas forem na primeira semana. Portanto, corram!”.
Apenas um detalhe pra finalizar: eu não moro na roça, eu moro na capital do país, bem perto do Ministério da Cultura, órgão que financia tudo isso daí...
(vale dizer que eu acho que na roça também deveriam ter cinemas, e que exibissem os nacionais!).
Divirtam-se... eu estou aqui tentando.

"nome próprio" de Murilo Salles


"Fim da Linha" de Gustavo Steinberg

Um comentário:

almira disse...

Oi Bela!!! Também gostaria q na roça exibissem cinema nacional e muitas outras coisas desde sempre.... assim eu não teria saído de lá. Isso também se mistura com saudade de gostos q a gente não sabe donde vêm, mas imagina q seja da infância feliz... pq feliz?

Vai firme q tá muito bom ler ocê, uai!!

bjs
Mira