quarta-feira, 12 de março de 2008

Copos dágua

Tenho acordado todas as noites de madrugada.
Acordo impreterivelmente as três da madruga, levanto, tomo um copo dágua, vou ao banheiro e me deito novamente. E daí sai de baixo.
Bife a milanesa de Isabela, edredon, colchão e lençol: fico rolando meeeesmo.
Isso tem nome e desconfio que seja saudade. Saudade de amigos, de cheiros, de lugares, de momentos, de amores perdidos no tempo e no espaço... amores loucos, tranqüilos, mornos, sem sal, com muito açúcar, com sabor. Com tristeza ou sem tristeza, mas SEMPRE amores.
Vivi alguns e sinto falta de estar apaixonada! Quero me apaixonar e não consigo...
Exigência demais? Auto-controle demais? Apanhei demais?
Descobri numa dessas noites de insônia e copos dágua que sinto muita falta de momentos que ainda estão por vir, de momentos que sei que virão, mas tenho pressa!
Alguém aí tem a fórmula da tranqüilidade?
.
.
Estratagema dessa noite - comprei o último do Carlos Heitor Cony e me dei de presente:
O adiantado das horas
(que título mais irônicooooooooo!)

Um comentário:

Juliana disse...

acho que to precisando levantar mais a noite... sentir sede as vezes é bom mesmo...