quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

até quando?

"Sentada na cama, tirou as sandálias, olhou para os pés e disse: até quando caminharão sozinhos? Ninguém perguntou: o que você disse? No quarto só havia ela, uma mulher que usava sandálias todos os dias para ir ao trabalho. Sozinha, deitou-se na cama e ficou passando a planta dos pés nús na maciez do lençol de seda. O lençol de seda ela ganhou de si mesma como presente pelo seu quadragésimo aniversário. Ela gostava de se presentear na data do seu aniversário. Esta mania começou aos vinte, quando deu a si mesma um par de brincos de pérolas falsas. Desde então, sempre foi assim, sempre se presenteava no dia seis de abril...
E hoje era seis de abril. Na cama, abriu a bolsa e tirou um pequeno embrulho vermelho.
Apalpou o conteúdo do embrulho e disse, sem que ninguém pudesse ouvi-la: até quando?"

alessio di pascucci.

ele me confessou que foi praticamente uma psicografia... eu fiquei contente por ele ter lembrado de mim, mas fico triste ao imaginar que posso acabar meus dias assim...
enfim, só sei que tem dias que a única coisa martela o meu juízo é a eterna pergunta: até quando?

5 comentários:

ANNA disse...

menina...
essa pergunta é foda!!!
e até quando será que a gente vai ficar se perguntando?

T.A.P.A.S disse...

até quando voce menos esperar!
beijos

Feijao007 disse...

Nossa vc tá muito inspirada... Fiquei um tempo sumido mas to aqui de volta... O de texto de cima da Menininha do tesouro (kkk) tbm ficou muito legal...

Mas ATÉ QUANDO perderemos tempo e vida nos perguntando ATÉ QUANDO?

Beijos!!!

isaBela araújo silvA disse...

anna,
eu não quero deixar de me perguntar mas quero mudar as perguntas, será que rola? rsrs.

nat,
deus te ouça!

felipeeeeeee!
vc é um sumido mesmo, vê se aparece. eu continuo aqui no mesmo lugar e com alguns novos pensamentos.

Dedinhos Nervosos disse...

Eu acho melhor deixar a vida responder perguntas como essa. E nada de apressar para saber da resposta. Pode vir de forma equivocada. Fé. Bjos!