quinta-feira, 24 de setembro de 2009

universo feminino

enquanto me falta tempo e sobra falta de imaginação, apresento-lhes meu querido amigo Patrick Landall.

Patrick Landall é um homem solteiro, já teve relações duradouras, outras nem tanto. Trabalha com história, cinema, educação, radialismo, troca lâmpadas, conserta vazamentos, só não lava roupas. Sua idade e localização não importam, ele vai responder suas perguntas porque antes de qualquer coisa é apaixonado por mulher.

pra quem ainda não sabe, sou editora do jornal semanal Universo Feminino, aqui na gélida e aconchegante Botucatu, e patrick responde as dúvidas sentimentais e sexuais da mulherada que lê o jornal. também quer? manda um email: isabela@jornaluniversofeminino.com.br

veja qual foi a da última semana:

Você acha que os homens de hoje em dia ainda são atraídos apenas por mulher gostosa ou mulher inteligente também é atraente?

Cara leitora. Antes de mais, nada vamos partir de um pressuposto: homem gosta de mulher de qualquer jeito. Algumas pesquisas científicas já comprovaram que um homem comum pensa em sexo dez mil vezes por dia. Eu diria que ainda é pouco. Pensamos em sacanagem duzentas milhões de vezes por dia, imaginando como seria traçar a vizinha, a colega de faculdade, a balconista da padaria. Essa é inclusive a única motivação que nos faz sair da cama diariamente, pois um mundo cem por cento masculino estaria fadado à auto-aniquilação instantânea. De modo que o homem gosta tanto de mulher gostosa quanto de mulher inteligente. Ambas são fascinantes. E sinceramente acho difícil definir até que ponto Fulana é só “gostosa” ou Cicrana é só “inteligente.” As mulheres são em geral tão fascinantes que essas categorias acabam limitando a compreensão desse ser múltiplo e inesgotável. Por exemplo: a mulher inteligente é aquela que cita James Joyce e Witgeinstein? Que lê o New York Times diariamente? Que fala cinco línguas? Qual o limite entre a inteligência e a chatice? Inclusive, a moda entre os psicólogos hoje não é dizer que o Coeficiente Emocional é muito mais importante que o famoso QI (Coeficiente de Inteligência)? Desse ponto de vista, quem tem mais jogo de cintura, a Marilena Chauí ou a Mulher Melancia?

Minha amiga, não se engane: o homem é movido pelo pensamento constante de se dar bem com as mulheres, sejam elas gostosas, inteligentes, safadas, burras ou até feias. A mulher é um ser tão fascinante que até as suas imperfeições se tornam bonitas, suas idiossincrasias acabam virando charme, suas celulites uma metáfora da nossa mortalidade, imperfeição e incompletude. Há inclusive na mulher “burra” um vasto território a ser desbravado, um desconhecimento sobre os grandes temas da literatura, do cinema e da filosofia que pode e deve ser preenchido. Ela pode ser ensinada, educada, polida e trabalhada para ser “apresentada à sociedade”, ou seja, pode acompanhar o seu namorado a uma palestra sobre psicanálise e ainda fazer duas ou três observações inteligentes, o que não é lá tão difícil. Já a mulher “inteligente por natureza” pode até ser uma bela e agradável companhia, desde que respeite o universo masculino (futebol + boteco) e não fique citando Simone de Beauvoir toda vez que for lavar uma cueca ou esquentar uma janta. Deu pra esclarecer alguma coisa?


3 comentários:

Anônimo disse...

Hehehe..., ok.
Saúde!
Taubrós!?

MakNamara disse...

acho q esse cara só fala merda

Dedinhos Nervosos disse...

Acabei de lembrar do filme que vi semana passada: "A verdade nua e crua" (algo assim). Só q o outro, o do filme, é muito pior. rs Beijos!